Candidíase é um termo que inclui um grupo de condições mucosas e cutâneas com um agente etiológico comum do gênero CANDIDA de fungos. É a infecção micótica bucal mais comum, embora os índices de freqüência sejam difíceis de determinar por causa da prevalência do microrganismo causal numa grande proporção da população. A relação entre o comensalismo e a patogenicidade é complexa, baseada exclusivamente em fatores locais e sistêmicos, em outros. As manifestações bucais podem ser agudas ou crônicas, com diferentes graus de gravidade. Foram criados numerosos sistemas de classificação, indicando a complexidade desta condição, os muitos modos de apresentação clínica, e a inter-relação com fatores locais e sistêmicos. Além disso, foi relatada uma relação entre um subtipo conhecido como leucoplasia por CANDIDA e o carcinoma espinocelular.

Etiologia e patogênese

    A candidíase  é causada pela CANDIDA ALBICANS e pelas espécies relacionadas, porém muito menos comuns, C. parapsiloses, C. tropicalis, C. glabrata. C. pseudotropicalis e C. guilliermondi.

    A Candida albicans é  um comensal  residente na cavidade bucal na maioria das pessoas sadias. A transformação ou passagem deste microrganismo de comensal para patógeno está relacionada com fatores locais e sistêmicos de reprodução experimental extremamente difícil. O organismo é uma levedura unicelular da família das Cryptococcaceae que pode existir sob três formas biológicas e morfológicas distintas:

  • a forma vegetativa ou levedura, de células ovais (blastóporo);
  • a forma celular alongada (pseudo-hifas);
  • e a forma de clamidósporo, que consiste em corpos celulares, com uma parede grossa refrátil..

    As pseudo-hifas existem no estado de comensal. A persistência deste organismo em seu estado vegetativo é observada na boca (e na vagina), afirmando-se que está relacionada à sua associação simbiôtica com o LACTOBACILLUS ACIDOPHILUS. Conforme evidenciado pela sua freqüência na população geral, a C. albicans tem patogenicidade fraca, refletindo assim a necessidade de fatores predisponentes locais e sistêmicos.

    Geralmente, a infecção por este organismo é superficial, afetando as partes externas da mucosa ou da pele envolvida. Nos pacientes gravemente debilitados e imunocomprometidos, como os aidéticos, a infecção pode estender-se ao trato digestivo (esofagite p candida), ao trato broncopulmonar ou a outros órgãos.

cadidiase

Características clínicas

    As manifestações bucais da candidíase são variáveis, sendo observadas numerosas formas. A forma mais comum é a pseudomembranosa, conhecida como sapinho. Os extremos da infância e da velhice caracterizam dois grupos afetados com freqüência. As estimativas da freqüência vão até 5% nos recém-nascidos, 5% nos cancerosos e 10% nos pacientes idosos debilitados vivendo em instituições. Esta infecção é comum em paciente tratado pela radiação ou quimioterapia da leucemia ou de tumores sólidos, afetando até 50% daqueles do primeiro grupo e 70% daqueles do último grupo.

    A candidíase também tem sido encontrada em pacientes com AIDS e nos que se encontram em outros grupos de alto risco.

    Caracteristicamente as lesões bucais são placas ou nódulos brancos, entre moles e gelatinosos, que crescem dentrifugamente e confluem. As placas são compostas por fungos, resíduos ceratóticos, células inflamatórias, células epiteliais descamadas bactérias e fibrina.

    A remoção das placas ou das  pseudomembranas, com uma compressa de gazes ou um cotonete, deixará uma superfície eritematosa, erosada, ou ulcerada, freqüentemente sensível. Embora as lesões do sapinho possam desenvolver-se em qualquer localização, os pontos preferidos incluem a mucosa jugal, os fundos-de-saco vestibulares a orofaringe e as partes laterais do dorso da língua.

    Na maioria dos casos em que a pseudomembrana não foi perturbada, os sintomas associados são insignificantes. Nos casos graves, os pacientes podem queixar-se de sensibilidade, ardência e disfagia.

Diagnóstico diferencial

     As infecções pela CANDIDA devem ser diferenciadas de várias entidades, incluindo a escara associada com as queimaduras químicas, as infecções e colonizações bacterianos superficiais, a estomatite gangrenosa, as ulcerações traumáticas, e as placas mucosas da sífilis. Quando estão presentes lesões vermelhas isoladas da candidíase atrófica aguda, elas devem ser diferenciadas das rações medicamentosas e das queimaduras. Além disso, essas lesões vermelhas posem assemelhar-se ao líquen erosivo, ao LED e aos casos em início ou brandos do EM.

Tratamento e prognóstico

     A maioria das infecções por C. Albicans pode ser tratada apenas por aplicação de nistatina. No caso da candidíase relacionada com dentadura, o creme de nistatina pode ser usado no tecido afetado e na própria dentadura, para proporcionar contato prolongado e eliminar os microrganismo no material da dentadura.

     A suspensão dos antibióticos de largo aspectro usualmente podem produzir resolução da infecção bucal pela levedura.No caso de uso crônico  de agentes oxogenantes como o peróxido de hidrogênio, a suspensão dessas substâncias permitirá o restabelecimento da flora bacteriana normal da boca e o alívio dos sintomas. O ciotrimazol pode ser administrado de modo conveniente sob a forma de pastilhas. As aplicações tópicas de nistatina ou de clotrimazol devem ser continuadas por aproximadamente 1 semana depois de desaparecimento das manifestações clínicas d doença.

     Nos casos de candidíase mucocutânea crônica, ou de candidíase bucal associada a imunossupressão, os agentes tópicos podem não ser eficazes. Em tais circunstâncias, poderá ser necessária a administração de medicamentos como a anfoericina B, o cetoconazol e a flucitosina. No entanto, é preciso cautela, pois a flucitosina e o cetoconazol podem ser hepototóxicos e, também, deprimir a hematopoese.

Prognóstico

     O prognóstico da candidíase aguda e da maioria das formas crônicas é excelente. Todavia, o defeito subjacente, na maioria das candidíases mucocutâneas, atua contra a cura, embora possam ser notadas melhoras intermitentes após o uso de agentes antifúngicos sistémicos.




Outros artigos relacionados ao tema

  • Osteopenia: perda óssea - A perda óssea na doença periodontal é um problema complexo para qual convergem as atenções de críti...
  • Líquen Plano - O líquen plano é uma doença mucocutânea inflamatória crônica bastante comum. A importância desta do...
  • Leucoplasia pilosa -A leucoplasia pilosa é uma lesão de aspecto esbranquiçado de ocorrência comum ao longo das bordas la...
  • Língua Pilosa -Etiologia O termo "língua pilosa branca" é inespecífico, clinicamente descritivo, referente a uma co...
18 comentários para “Candidíase”
  1. Bom dia!

    Gostaria de saber se a pessoa que sempre tem candida albicans (na vagina), terá problema para engravidar?

    Desde já, muito obrigada.

    Carla, 31 anos

  2. Gostaria de saber se a candidiase bucal tem relação com o sexo oral?Ou seja,se uma pessoa com candidiase vaginal,por meio de sexo oral,passa ao parceiro?Obrigada
    Ivani 39 anos

  3. É POSSIVEL CONTRAIR A CANDIDIASE BUCAL EXATAMENTE NA LINGUA ATRAVÉS DE SEXO ORAL.POIS GOSTARIA DE SABER…

  4. [...] conseguia diagnosticá-la. Os dentistas foram chamados e descobriram que a senhora estava com candidíase, uma doença causada por um fungo e que é bastante comum na boca quando não se tem a higiene [...]

  5. Minha lingua estar com uma área( tipo uma mancha) avermalhada e lisa(descamada) deslocada mais ao lado direito do dorso da língua, quase na lateral da lingua. Ela é totalmente indolor, só sinto essa área um pouco mais sensivel.Só que essa mancha vem crescendo, ela começou pequena e ja ta bem maior quase do tamanho de um dedo midinho.
    Eu tive candidiase no penis e em razão disso ja fiquei encucado e fui pesquisar sobre candidiase na internet e na mesma semana acabei ficando bom da candidiase genital, mas acabou aparecendo essa mancha. Gostaria de saber o que poderia ser?

  6. Maytana Pivetta diz:

    Minha mãe a pouco mais de 1 ano está com um tipo de queimação sa superfície da lingua, antes queimava mais quando ela consumia açúcar, hoje tanto com açúcar tanto com sal a lingua dela queima. Já fomos em gastro e até em otorrino. Dizem que ela está com candidíase, mas nenhum deles pediu nenhum tipo de exame para comprovar se realmente é candida. Gostaria de saber se há algum exame que possa nos comprovar o que realmente ela tem na lingua, ela já adm nistatina e também já adm citoconazol e nenhum destes teve resultado positivo. Estamos preocupados, pois ela já não aguenta mais de dor na lingua e já não sabemos mais aonde procurar ajuda. Por isso gostaria de saber aonde achar ajuda, algum médico, medicamento ou até mesmo algum exame. Agradeço desde já e aguardo sua resposta.

  7. rosenildo gomes da silva diz:

    ola tudo bem eu gostaria de saber se eu posso tomar esses remedio? na minha ligua aparece umas bolinha que cosa muito ai eu pego um cartão telefonico corto no meio e espremo as bolinha essas bolinhas doi muito so quando eu tiro elas ai para de doe mais onde elas estava fica um buraquinho ai doi muito e cosa ja faiz 2 anos isso eu ja fiz esnocopia e nao deu nada quero saber se eu posso tomar esses remerdio nistatina,clotrinazol,anfoericina b,cetoconazol,flucitosina , qual desses eu devo tomar???

  8. tenho um bebe de 1 ano e meio,ja tem dois dias que levei ao medico e ele me disse que meu bebe estava com essa candidiase,gostaria de saber se foi passado por mim ou por alguem da familia?obs:nao existe casos na familia!!obrigada taty 25 anos

  9. Gostaria de saber se é possível contrair candidiase bucal como consequência de sexo oral? E se

  10. Gostaria de saber se é possível contrair candidiase bucal como consequência de sexo oral? E se há diferenças entre uma e outra, ou seja, se é provocada pelo mesmo fungo. Quais os tratamentos aconselhados?

  11. pedro martins diz:

    Contraindo candidiase bucal nos tornamos portadores da candidiase dos orgãos genitais?

  12. MUITO BOM, TIREI TODAS AS MINHAS DUVIDAS…ABRACOS

  13. Trabalho em laboratório de análises, e numa ocasião onde digitava laudos tive o descuido de levar o dedo “sujo” à boca… dois ou três meses depois tive a primeira ferida de pequeno diâmetro com características de candidíase…após escovação regular durante vários períodos no dia, em menos de uma semana ela sumiu, porém nos meses seguintes ela sempre volta…essa caracteristica recorrente é comum na candidíase bucal? prevendo um sermão já informo que ainda não fui ao médico, não sei nem exatamente se é candidíase…pode dar algum esclarecimento?

  14. …as feridas geralmente são bem pequenas, nunca ultrapassam 1cm de diâmetro..e são sempre sozinhas ou no máximo duas…

  15. Ola gostaria de saber como é o exame da Candidíase e se existe a possibilidade da pessoa está infectado com com a do tipo bucal e vaginal..

  16. Olá!!!
    Gostraia de saber se muita coca cola pode atrair a cadida bucal…….
    E se a agua com gas e boa……

  17. hah…..

    E gostaria de saber tambem se ela faz cortes na lingua??????
    E qual o jeito de curala……..
    Espero a resposta

    Patrick

  18. Amélia Quaresma diz:

    Como não fiquei informada, gostaria de saber se a candidiase bucal pode ser contraída através do sexo oral e se os homens também podem ser portadores de candidiase, visto que a mesma não é sexualmente transmissível.

Gostou do artigo? Tem alguma dúvida? Deixe um comentário!

Você deve estar logado para publicar comentário Entrar »